Doce Memória (Longe Dela)

LONGE DELA    { 2estrelas.jpg }

Poderia ser difícil adaptar um tema tão delicado como o Mal de Alzheimer, mas limitações não é algo que Sarah Polley parece entender. A atriz que já provou a sua versatilidade e talento em variados gêneros, como Minha Vida Sem Mim, Madrugada dos Mortos e O Terceiro Olho, decide ficar atrás das câmeras para dirgir e roteirizar o romântico Longe Dela. Enquanto sua direção é muito bem feita e prima justamente pela falta de gracejos e exageros estéticos, o que peca no trabalho final é o roteiro.

A produção se baseia na mudança de personalidade de Fiona, interpretada por Julie Christie, que passa a tomar consciência de suas freqüentes distrações. Tendo isso em mente, ela decide se internar para que não atrapalhe a vida do marido que, ao contrário dela, quer ficar perto da esposa por mais tempo possível. Daí em diante é melhor não revelar muito mais, pois a trama não reserva muito espaço para a história se desenrolar.

Aliás, esse é justamente o maior erro do filme. Logo após o último minuto de exibição, é evidente que a história que deu origem a Longe Dela é um conto: sem muitas reviravoltas ou surpresas narrativas, a trama é estendida e acaba se apresentando muito rala, fraca. Se percebe uma preocupação da diretora ao trabalhar um pouco com a edição do filme e deixá-la não tão cronologicamente correta, mas é inegável o fato de que há vezes em que não ocorre nada substancial na tela.

Contando com ótimas atuações de Julie Christie e Gordon Pinsent (o verdadeiro protagonista), Longe Dela é um filme bonito, mas que não consegue ir além. O casal Judi Dench e Jim Broadbent, por exemplo, foram capazes de emocionar mais em Íris (mesmo com a presença de desnecessários flashbacks). Sarah Polley é uma grande atriz e uma notável diretora, mas falta mais um pouco para ser uma boa roteirista. Nada que alguns outros longas de prática não resolvam.

Anúncios

4 comentários

  1. marco.. um filme que pretendo assistir, apesar de suas 2 estrelinhas, tadinho, só duas…rs
    pelo que vc disse sobre as falhas do roteiro tbm devo dar essa nota… mas eu sempre sou mais bonzinho, hehehe… e pelo ejtio acho que nãos erei diferente com esse, pois é um tema que aparenta render um filme, no minimo emocionante…
    abraços!!!

  2. Gostei do filme, mas também acho que não vai muito além de uma bela história bem interpretada e dirigida – o que na maioria das vezes basta, exceto quando estamos falando de um filme considerado como obra-prima por algumas pessoas.

  3. / As vezes eu também acho que sou bonzinho demais quando vou avaliar os filmes. Mas quando eu sou severo demais com um, eu me obrigo a ver o outro com os mesmos olhos, porque acabo achando uma injustiça com o primeiro…

    // É verdade, Vinícius. Algumas vezes isso funciona, mas em outras não. Esse é justamente o caso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s