4 filmes para os 100 anos da imigração japonesa

À essa altura, todos já devem saber sobre os 100 anos da imigração japonesa. E para comemorar essa data, resolvi escolher quatro filmes japoneses que possuem uma certa importância no cinema mundial. Como essa ainda é uma lista pequena e sempre é bom reservar espaços para surpresas e filmes mais desconhecidos (ainda que ótmos), não se desesperem com a ausência de alguns longas. Não são necessariamente os melhores e nem todos são tão essenciais para o mundo cinematográfico, mas são longas que merecem a sua devida atenção.

4- Hana-bi – Fogos de Artifício (1997), de Takeshi Kitano
Nishi é um policial (interpretado por Takeshi Kitano que também dirige a fita) descobre que sua mulher possui uma doença terminal. Momentos depois, ele vê o sofrimento de seu parceiro e amigo ao ter que usar cadeira de rodas após ser baleado em uma emboscada. Emocionado com esses acontecimentos, Nishi decide sair da polícia e refletir sobre a sua vida.

Esse belíssimo filme de Kitano ainda é desconhecido do público, mesmo tendo ganhado vários prêmios internacionais, como o Leão de Ouro no Festival de Veneza. No entato, isos é explicável, Hana-bi – Fogos de Artifício não é para todos: o filme possui uma narrativa um pouco lenta e faz uso de poucos diálogos. Mas o que se vê é impressionante. A metáfora utilizada pela produção, como os fogos de artifício representarem uma beleza fulgaz, finita, é um dos seus maiores atributos, assim como a fotografia que prima justamente por não querer criar um espetáculo visual. Em Hana-bi a vida é assim mesmo, cruel, depressiva e sem adornos.

3- Ring – O Chamado (1998), de Hideo Nakata
Após ter um parente morto de forma misteriosa, a repórter Reiko decide investigar a razão do seu assassinato. Ao pesquisar e perguntar para os amigos da falecida, ela ouve histórias sobre um estranho vídeo que, após ser assistido, mata a pessoa em apenas sete minutos. Reiko então decide ir atrás da fita e descobrir mais sobre esse mistério.

O filme em si não é o melhor feito do gênero, e chega até mesmo a ser inferior a sua refilmagem norte-americana em vários pontos. Mas esse é o justamente o motivo dele estar nessa lista. Ring – O Chamado foi praticamente o responsável por revolucionar o gênero de suspense e terror do cinema mundial. Após o sucesso de seu respectivo longa americano, praticamente todas as fitas resolveram apostar em histórias sobrenaturais e oriundas dos países orientais. Ring pode até não ser bom, mas com certeza é um marco para o cinema.

2- Os Sete Samurais (1954), de Akira Kurosawa
No Japão feudal do século XVI, o samurai Kambei aceita proteger uma aldeia constantemente saqueada por bandidos. Contando com a ajuda de outros seis samurais aposentados, Kambei e o grupo treina os moradores para se defenderem em futuros ataques.

A presença dessa produção na lista não deve ser surpresa para ninguém. Kurosawa, além de ser um ícone do cinema japonês, criou esse longa que é possivelmente um dos melhores da história. As lindas tomadas, as maravilhosas seqüências de ação: tudo ocorre como se as três horas de duração passassem voando. Simplesmente, uma obra-prima!

1 – A Viagem de Chihiro (2001), de Hayao Myazaki
Durante uma viagem de mudança, a menina Chihiro e seus pais erram o caminho e acabam parando num misterioso túnel. Curiosos, eles entram e decidem entrar num restaurante do outro lado. O que a pobre Chihiro não esperava é que seus pais, após comer as refeições do lugar, viraram grandes porcos. Esse é apenas o início de um mundo de surpresas e novidades que a menina conhecerá, lidando com espectros, magia, ratos e dragões.

Para muitos, A Viagem de Chihiro certamente não ocuparia esta posição, mas certamente a produção representa muito para o cinema japonês. Além de ser a primeira animação a ganhar o Urso de Ouro em Berim, e a primeira animação estrangeira a ganhar o Oscar de Animação, Chihiro representa a consolidação de um gênero: o anime. O que muitos viam com olhares preconceituosos, como apenas uma fase passageira, acabou se desfazendo após assistir essa fábula. Como uma Alice no Japão Feudal, A Viagem de Chihiro representa a maturidade de uma criança, um mágico ritual de passagem. Um ritual que só poderia ganhar vidas nas mãos do talentosíssimo Hayao Myazaki do também famoso e popular Princesa Mononoke. O gênero de animação ganhou credibilidade e deixou de ser apenas um programa infantil, levando Chihiro a um status de “filme cult”.

Anúncios

8 comentários

  1. Que bela lista! 😉 Daqui vi apenas dois filmes, “Ring” (realmente um marco, apesar de preferir o remake) e “A Viagem de Chihiro” – esse sim um verdadeiro clássico da animação, um filme que me marcou por um bom tempo. Abraço!

  2. Hana-bi e Os Sete Samurais são ótimos (não tenho nem o que dizer a respeito). Já A Viagem de Chiriro, até hoje não assisti essa obra-prima. Vi o posterior O Castelo Animado, do mesmo diretor. Quanto a Ring: O Chamado, nunca curti esse filme. Ainda mais depois que o Verbinski fez o favor de adaptar para os EUA. Sei lá… não se encaixa no tipo de produção que eu curto.

    Discutir a imprensa?
    acesse http://robertoqueiroz.wordpress.com

  3. Desses apenas não vi o Hana-bi… Mas a lista é muito boa, Chihiro é um espetáculo para os olhos, assimo como a fotografia fantástica do mestre Kurosawa, quanto o The Ring, você tá certo, revolucionou o cinema de terror mundial…

  4. Assim … bem citado … porém o remake americano de Ringu é um nojo só … tive muita raiva e ainda pior … pode ter revolucionado o original … já o remake desecandeou um dos piores momentos de Hollywood … fato!

    abraços

  5. Boa idéia a sua lista, Marco! Ainda não vi Viagem de Chihiro. Toda vez que resolvo que é o dia, mudo de idéia… Mas confesso que tenho um probleminha com animações do gênero.

    Beijocas

  6. // Os outros dois também são muito bom Vinícius. Depois tenta assistir!

    // Eu acho O Castelo Animado muito inferior à Viagem de Chihiro. Todos os elementos que deram certo, o Myazaki parece que tentou repetir nessa segunda produção, mas todos soaram forçados, sem a magia que tinha no primeiro.

    // Que bom! Pensei que fosse surgir alguém lembrando de um outro filme que tinha esquecido (ou não assistido), mas que bom que vcs gostaram!

    // Nossa, Johnny, sério? Eu achei o remake bem melhor. Acho que foi uma das poucas vezes que eu achei a refilmagem melhor que o original (tendo a outra sido A Casa do Lago, refilmagem de Il Mare). Achei que ele corrige os erros do primeiro, e cria outros aspectos mais positivos ao filme.

    // Também adoro A VIagem de Chihiro, Wally! Uma das animações que mais gosto!

    // Ah, eu até te aconselharia, mas como vc não gosta desse estilo de animação… Mesmo assim, tente. Já vi muita gente que odeia certo estilo de filme, mas acaba gostando de um único. Como um conhecido meu que odeia animação em 3D, mas pra ele a única boa é Procurando Nemo. Talvez aconteça o mesmo contigo!

  7. Marco, da sua lista só assisti “Ring – O Chamado” e de longe dou preferência a refilmagem estrelada por Naomi Watts. Gostaria muito de ver os três restantes, especialmente “A Viagem de Chihiro”, que sempre me esqueço de locar quando vou às locadoras. Ainda assim uma ótima seleção para a data em destaque.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s